Grupo no WhatsApp contratou motoqueiros e motosserras para desmatar e incendiar a floresta


 

Motoqueiros do fogo

No dia 10 de agosto, o “Dia do Fogo”, motoqueiros contratados pelo grupo circularam pelos distritos localizados às margens da BR-163 ateando fogo no capim seco dos acostamentos. Nessa época de seca, a vegetação das margens é combustível fácil. As chamas chegaram a interromper o trafego da rodovia em vários trechos.

O fogo se alastrou queimando cercas e ameaçando atingir as moradias. Todos que estavam em suas casas nas vilas ao redor da BR naquele dia avistaram esses homens de capacete ateando fogo. O crime foi realizado também no município vizinho de Altamira, recordista de desmatamento e queimadas do Brasil neste ano, e se estendeu até ao Distrito de Cachoeira da Serra.

Incêndio à beira da rodovia BR-163, no Pará. (Foto: Emiliano Capozoli/Ed.Globo)

fumaça negra subiu ao céu e se juntou a uma outra, ainda mais escura, que pipocava de dentro da Floresta Nacional do Jamanxim, área de proteção ambiental muito visada pelos grileiros e garimpeiros da região. O lugar foi demarcado através de decreto assinado pelo presidente Lula em 2006, mas sempre sofreu a ameaça da exploração predatória pela proximidade da estrada Cuiabá-Santarém.

Faltou motosserra

No início de agosto, várias áreas de proteção ambiental sofreram ataques de motosserras na região. Primeiro se desmata, depois vem o fogo. Tudo foi planejado. Ninguém “ficou sem serviço”, conta um operador de motosserra que não quis se identificar. Faltou gente, e peões foram trazidos de outras regiões da Amazônia e até do Nordeste.

Pistas clandestinas de pouso foram construídas no meio da mata para desembarcar gente. Tudo foi combinado com muita antecedência no Grupo SERTÃO. Uma das notícias que “bombou” foi a falta de óleo queimado.