Instituto Bom Samaritano na luta pelo título de Utilidade Pública do Estado


Uma comissão da Comunidade Terapêutica Bom Samaritano de Barra do Choça estiveram na última terça-feira (13), no escritório do deputado estadual, Eduardo Salles para a entrega de documentos, onde solicita do político, que a entidade seja reconhecida como Entidade de utilidade pública pelo governo do Estado.

De acordo com o presidente da Entidade, Pastor Flávio Amorim, foram entregues ao gabinete do deputado Eduardo Salles os documentos sugeridos, em seguida, a equipe elaboração o Projeto de Lei que será encaminha à Assembleia Legislativa, onde será submetida a apreciação e votação.

Ainda segundo o pastor, com o título, o Bom Samaritano poderá pleitear recursos estadual e federais, para auxiliar na manutenção e ampliação dos de projetos sociais desenvolvidos pelo Instituto, disse.

Vereador apresenta REQUERIMENTO onde solicita a implementação de placas de sinalização para Barra do Choça


O vereador Roberto Ferreira (PSDB) apresentou nesta terça-feira (13), o Requerimento, nº 50, do dia 12 de agosto, onde solicita do Gestor do Município, a implementação de placas de sinalização de afim de facilitar a identificação das ruas, praças e avenidas e melhorar as entregas de correspondências e encomendas.

 O presidente Manoel Nascimento colocou em votação, que após discutidas foi aprovada por unanimidade. O documento será entregue ao gestor do município, que avaliará a sua aplicabilidade.

QUALILAB: Exames de Rotina, por que são importantes?


Os exames de rotina servem para verificar o estado de saúde de cada pessoa. Muitas vezes, é a partir desses exames que se obtém um diagnóstico precoce de doenças que a partir disso podem ser evitadas ou curadas com mais eficiência.

De modo geral, é recomendável fazer esses exames de rotina de 2 em 2 anos. Mas, se você possui fatores de risco, que é o caso de pessoas fumantes, obesos ou sedentários, os exames devem ser feitos todo ano. Se você possui doença crônica como diabetes ou hipertensão, o ideal é realizar de 6 em 6 meses. 

Um check-up completo consiste na realização dos seguintes exames:  -Hemograma; -Fezes e urina; -índice glicêmico; -Eletrocardiograma; -Colesterol e triglicerídeos; -Antígeno prostático específico (PSA); -Papanicolau; -Mamografia.  Agende um atendimento aqui na Qualilab: (77) 3436-2019   #qualilabms #qualilab #laboratorio #exames #checkup

Mensagem póstuma à Dona Dete, minha sogra, avó de minha filha – Por Hélio Gusmão


Mensagem póstuma à Dona Dete, minha sogra, avó de minha filha Bruna Amorim Gusmão, falecida dia 12/9 )na mesma data em que faziamos memória aos 33 anos da partida de meu pai Helio Gusmão para o Pai).

A imagem pode conter: Carlos Alberto Amorim Chaves, listras
HILDETE AMORIM CHAVES – * 12.08.2019

Dete, Detinha, dona Dete, Mãe, Mainha, Vó, Vó Dete, Bisa, Madrinha..

Assim como Maria (Nossa Senhora das Vitórias, das Graças, de Lourdes, de Fátima…), ela tinha muitas designações especificas de ser reconhecida e chamada.
Eu a conheci em meados dos anos 70, quando, participando de Grupo de Jovens da Catedral, conheci sua filha Maria de Lourdes Amorim Chaves (Lurdinha) e por ela acabei entrando definitivamente na vida familiar da qual dona Dete (assim era como eu a designava) era (e sempre será) a Matriarca, sendo que esse meu vínculo direto com dona Dete se perpetuou (e continuará perpetuo), porquê a amizade com Lurdinha passou a ser enlace romântico: nos tornamos companheiros de vivência mutua e dessa convivência foi gerada a segunda neta dela: Bruna Amorim Gusmão, que sempre (mesmo nas reminiscências) a designará como Vó Dete.A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Carlos Alberto Amorim Chaves e Helio Da Silva Gusmão Filho, pessoas sorrindoA relação inicial com dona Dete, materializada na presença constante em sua casa (ali na da Rua Democratas – residência da família -), se pautou na amizade profunda, no acolhimento, na alegria de diversos encontros ali originados com Lurdinha e outras pessoas próximas e, mais tarde, alongada na inter-relação com seus filhos e filhas: Ângela, Beto, Luciano, Verônica e Ricardo, estendendo esse vínculo a muitos outros parentes (hoje maior ainda por causa dos netos, bisneta, genros e noras), confirmado esse laço parental/amizade como realidade perpetua, pela graça de Deus.A imagem pode conter: uma ou mais pessoasHoje tenho 58 anos de idade, sendo que há 42 anos se confirmou minha convivência (poucos anos, nesse interim, fiquei afastado de Conquista, quando aqui estava a família dela era a minha segunda família) com dona Dete e familiares. Como realidade humana é claro que dentro desse espirito de convivência, houve algumas rusgas (assim como, também, na minha família original isso é latente), mas sempre imperou o grande elã de fraternidade, amor e paz entre nós. A materialidade de Bruna, se tornou a mola mestra desse relacionamento direto com dona Dete e família, sendo dona Dete para Bruna a presença marcante do espirito da mãe dela: Lurdinha, a qual Bruna só teve 1 ano e 26 dias de convivência, mas que pelo cerne de dona Dete, Lurdinha se fez presente na criação dela e essa máxima, foi e será sempre, o estigma da edificação da e na vida de Bruna. Isso aqui relatado não é somente expressão verborrágica e sim afirmação sincera e verdadeira.