Primeira visita de Bolsonaro ao Nordeste terá homenagem cancelada e protesto com caixão


Cinco meses após o início de seu mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) faz nesta sexta-feira (24) sua primeira visita oficial à região Nordeste como presidente da República. A ida será marcada por protestos e hostilidades de manifestantes, além de um clima de desconfiança entre Bolsonaro e os governadores da região -onde 8 dos 9 são de partidos da oposição.

O Nordeste é a região na qual o presidente tem a sua pior avaliação. Segundo pesquisa Datafolha divulgada em abril, 39% dos nordestinos consideram o seu governo ruim ou péssimo ante 30% da média nacional. Bolsonaro também foi derrotado nos nove estados da região na eleição do ano passado, ficando atrás do então candidato Fernando Haddad (PT).

O presidente vai ao Recife e a Petrolina (PE), onde entrega imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida e assina ordem de serviços para construção de dois viadutos e duplicação da BR-428. O presidente deve ser recebido com protestos nas duas cidades. A expectativa, contudo, é que Bolsonaro seja blindado da ação dos manifestantes.

No Recife, haverá um protesto organizado por estudantes da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) em frente ao Instituto Ricardo Brennand, onde o presidente cumpre agenda. O protesto terá carro de som, leitura de carta aberta ao presidente e até a queima de um caixão. Os manifestantes, no entanto, ficarão do lado de fora do prédio do instituto, que tem acesso controlado, e não chegarão perto do presidente. Fonte: Folhapress

 

Em Petrolina, vereadores retiraram da pauta na manhã desta quinta-feira (23) um projeto que concederia o título de cidadão petrolinense a Bolsonaro após um grupo de manifestantes ocupar o plenário. Eles carregavam cartazes com a expressão “petrolinense não”. Além disso, na sexta-feira, garimpeiros das cidades de Salgueiro e Serrita devem protestar pela liberação de novas áreas de garimpo na região.

O anúncio da viagem a Pernambuco também gerou reações nas redes sociais. Na última segunda-feira (20), a tag “Nordeste cancela Bolsonaro” chegou ao primeiro lugar mundial nos assuntos mais comentados no Twitter. Horas depois, os apoiadores responderam com a tag “Nordeste com Bolsonaro”. Aliados do presidente também se organizam para recebê-lo nos aeroportos de Petrolina e Recife. Cercada de expectativa, a reunião com os governadores do Nordeste deve tentar construir pontes entre as duas partes.

Em entrevista concedida em janeiro ao SBT, Bolsonaro disse que os governadores nordestinos não deveriam pedir dinheiro para o governo federal. “Espero que não venham pedir dinheiro para mim, que eu não sou o presidente deles. O presidente deles está em Curitiba”, afirmou, numa referência ao petista Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpre pena na capital paranaense.

Desde então, os governadores do Nordeste fortaleceram a atuação conjunta e criaram um consórcio interestadual para viabilizar convênios e apoio mútuo entre os estados da região. Em cartas abertas, os gestores já se manifestaram contra o contingenciamento do orçamento das universidades federais e contra o decreto que flexibiliza o porte de armas. Por outro lado, os gestores têm adotado um tom diplomático e institucional ao tratar da visita do presidente à região. “Acho importante que o presidente venha ao Nordeste, ouvir sobre a situação do Nordeste”, afirmou o governador da Bahia Rui Costa (PT).