Fórum Social Mundial: faltam 100 dias para evento na Bahia


Evento busca elabora propostas e construir alternativas porá um mundo mais justo e igualitário e terá como lema: “Resistir é criar, resistir é transformar”

Faltam 100 dias para o Fórum Social Mundial na Bahia 

Salvador está a 100 dias de transformar-se no centro estratégico de debates e espaço de resistências a todas as formas de dominação e exclusão entre pessoas do mundo inteiro; que já estão em contagem regressiva para desembarcar na primeira capital do país para dizer: “outro mundo é possível”.

 A 13a edição do Fórum Social Mundial, em Salvador, acontecerá de 13 a 17 de março de 2018 e reunirá cerca de 150 mil representantes de movimentos sociais e organizações do mundo inteiro para realização de importantes debates.

 A edição, que será na Bahia, abordará assuntos relacionados a defesa de causas sociais e ambientais em todo o mundo e contará com a presença de dirigentes sindicais do Brasil e de outros países, representantes de movimentos sociais, ONGs, pesquisadores, trabalhadores rurais e urbanos, estudantes e todos que possam contribuir para a pluralidade da construção de políticas mais justas e igualitárias.

 Entre as temáticas que serão debatidas durante os cinco dias de Fórum Social Mundial, a Assembleia Mundial de Mulheres está sendo aguardada com  expectativa de reunir mais de trinta mil mulheres de todo o mundo, no intuito  de unir, fortalecer e ampliar os esforços mundiais em defesa dos direitos da população feminina.

 O principal ponto de convergência de debates e conferências será no Campus Ondina da Universidade Federal da Bahia, mas estão previstas atividades simultâneas em pontos específicos da capital baiana como Arena Fonte Nova, Estádio Roberto Santos (Pituaçu), Teatro Castro Alves, Concha Acústica, além das ações culturais no Centro Histórico, Praça Castro Alves, Espaço Xisto Bahia, Palácio Rio Branco. Haverá ainda caminhadas artísticas e marchas promovidas por diversos grupos. * Gabriela de Padua 

CUT no Fórum

 

Presente ao lado da sociedade civil organizada desde a primeira edição do Fórum Social Mundial, a Central Única dos Trabalhadores da Bahia terá mais uma vez uma atuação forte no encontro de Salvador. Para 2018, a CUT tem feito parcerias com entidades nacionais e internacionais ligadas ao mundo laboral para discutir temas relacionados ao Futuro do Trabalho. Para organizar esse debate, a Central tem promovido encontros preparatórios e contará com uma grande tenda no Campus de Ondina que será reservada para promoção de debates enriquecedores e específicos ligados ao mundo do trabalho.

A  Tenda

Durante os cinco dias de atividades  a CUT estadual terá uma tenda batizada de “Mundo do Trabalho” dentro do Campus Ondina da UFBA. O espaço será reservado para realização de atividades de reflexão e troca de experiências sobre todos os temas que afetam as atividades laborais. Neste momento em que o Brasil acaba de passar por uma reforma trabalhista classificada pelo movimento sindical como um grande retrocesso e que no mundo inteiro são debatidos novos formatos na relação de trabalho, a tenda vai concentrar pessoas que tragam propostas para garantir justiça e sustentabilidade.

O local também vai promover interação da CUT com os seus sindicatos, federações e confederações, bem como; a articulação com organismos internacionais e parceiros estaduais e federais, com inúmeras atividades que vão contribuir na elaboração do documento final do FSM. Além da reforma trabalhista, que afeta toda a classe trabalhadora, a CUT vai propor debates sobre mulheres, juventude e movimento sindical, entre outros.

A expectativa de público é de mais de  três mil dirigentes de diversas categorias, oriundos de todas as partes do Brasil. No interior da Bahia e em outras cidades, a Central já vem realizando atividades preparatórias, reuniões e plenárias que amadureçam o agenda de propostas que será trazida à Salvador.

Sobre o Fórum Social Mundial

O Fórum Social Mundial é o responsável por pautar na agenda global debates como o aumento das desigualdades produzidas pela financeira da economia. Também valorizou outros paradigmas do desenvolvimento, para além do desenvolvimento econômico, como é o caso do “bem viver” defendido pelas populações indígenas, andinas e amazônicas. Mostrou alternativas econômicas como a economia solidária e aprofundou o papel da sociedade civil na política, inspirando uma nova cultura de participação nas agendas institucionais.

A partir de construções iniciadas nas diversas edições do FSM, surgiram articulações nacionais como o Fórum Brasileiro de Economia Solidária, além de parcerias internacionais. O Fórum também inspirou e contribuiu para implementação de políticas públicas por ser um espaço que atrai não apenas militantes mas muitos governantes que foram e são eleitos democraticamente e tiveram passagem pelos encontros, podendo implementar políticas inspiradas em propostas apresentadas no FSM.

O Fórum se tornou um espaço que reafirma a supremacia dos direitos humanos sobre os interesses econômicos e financeiros. Com a conjuntura econômica internacional adversa, há uma grande expectativa sobre o encontro de 2018. Uma nova Carta de Princípios deve ser aprovada na capital baiana, como forma de defender a democracia e assegurar a tomada de decisões políticas concretas.

Confira os locais que foram realizados as edições anteriores do Fórum Social Mundial e programe-se para participar desse evento grandioso que acontecerá na primeira capital do país.

Fórum Social Mundial

12 edições anteriores

9 países em 3 continentes

2001

Porto Alegre (Brasil)

2002

Porto Alegre (Brasil)

2003

Porto Alegre (Brasil)

2004

Mumbai (Índia)

2005

Porto Alegre (Brasil)

2006

Venezuela, Paquistão e Mali (edição policêntrica)

2007

Nairobi (Quênia)

2009

Belém (Brasil)

2011

Dacar (Senegal)

2013

Túnis (Tunísia)

2015

Túnis (Tunísia)

2016

Montreal (Canadá)